Por possuir várias conexões com regime chinês, Nova Iorque agora é o epicentro do vírus do PCC nos Estados Unidos

Por possuir várias conexões com regime chinês, Nova Iorque agora é o epicentro do vírus do PCC nos Estados Unidos

Por Tian Yun

Comentário

Os surtos do vírus PCC em todo o mundo têm sido fortemente correlacionados com os laços com o regime comunista chinês nas regiões afetadas.

Nos Estados Unidos, o número de epidemias no estado de Washington foi mais alto em todo o país até 16 de março, quando teve mais de 900 dos aproximadamente 4300 casos confirmados nos Estados Unidos.  Washington é conhecido por ser o primeiro porto de entrada para o comércio de mercadorias, originário da República Popular da China (RPC), após o estabelecimento de relações diplomáticas dos Estados Unidos com Pequim, no final da década de 1970.

Em 21 de janeiro, o primeiro caso confirmado do vírus do PCC nos Estados Unidos, conhecido como novo coronavírus, ocorreu em Washington.  O caso foi o de um homem que morava perto de Seattle e que havia contraído a doença durante uma viagem a Wuhan, onde a pandemia começou.

No entanto, desde meados de março, Washington foi ultrapassada e ofuscada pelo Estado de Nova Iorque quanto ao número de casos confirmados.  Em 20 de março, o governador Andrew Cuomo anunciou um plano de 10 pontos para colocar o “Estado de Nova Iorque em pausa”.

No momento da redação deste artigo, mais de 102.000 nova-iorquinos estavam doentes, representando quase 40% dos 260.000 casos em todo o país.  O número de mortos do estado ultrapassou 1.000 em 29 de março e, desde então, triplicou.

Coroando a Big Apple

Os primeiros surtos do vírus do PCC fora da China foram mais pronunciados em países com extensas relações econômicas ou estratégicas com a China, como Coreia do Sul, Itália e Irã.  Atraídos pelos lucros do comércio ou cedendo à pressão de Pequim, governos e autoridades de muitas regiões assumiram posições complacentes ou até favoráveis ​​ao regime chinês.

Essas atitudes provavelmente alimentaram a aceitação da propaganda do PCC em relação ao vírus e tornaram as autoridades locais relutantes em tomar medidas de proteção, aumentando a vulnerabilidade desses países e regiões durante os estágios iniciais críticos da epidemia.

Nas últimas décadas, o PCC estabeleceu um formidável nexo de “soft power” em Nova Iorque.  A China é o maior parceiro comercial do estado fora da América do Norte, e a RPC (incluindo Hong Kong) forma o maior mercado de exportação de Nova Iorque.  Os investimentos bilaterais são igualmente grandes, com Nova Iorque sendo um dos principais destinos da capital chinesa.

O volume significativo de comércio e investimento teve efeitos de longo alcance na política e na sociedade de Nova Iorque desde atitudes pró-RPC entre funcionários eleitos até a subversão incremental de Pequim da comunidade chinês-americana local.  Por extensão, a importância econômica e cultural de Nova Iorque significa que a influência da RPC lá ressoa em todo o resto dos Estados Unidos.

Fazendo o capital servir ao Partido Comunista

Wall Street é um dos principais canais através dos quais a República Popular da China exerce seu poder brando no exterior e há muito tempo exerce sua estratégia para influenciar a política de Washington em relação à China.

Em 1999, o então primeiro-ministro da República Popular da China, Zhu Rongji, visitou Nova Iorque onde se reuniu com vários executivos de Wall Street para discutir a possível entrada da China na Organização Mundial do Comércio (OMC).  O Presidente Bill Clinton apoiou mais tarde a entrada de Pequim na OMC, à qual ingressou em dezembro de 2001. As relações econômicas continuaram a se fortalecer à medida que os Estados Unidos se envolviam na Guerra ao Terror.

Robert Kuhn, executivo financeiro e intelectual público, fez seus escritos aparecerem em muitos meios estatais chineses.  Em 2005, Kuhn publicou uma biografia lisonjeira do ex-líder da República Popular da China Jiang Zemin, apesar dos enormes crimes contra a humanidade e da política de “fazer uma fortuna mantendo um perfil discreto” que incentivava a corrupção em uma escala sem precedentes.

Um entregador faz uma pausa perto de Wall Street em 20 de março del 2020, na cidade de Nova Iorque (Spencer Platt / Getty Images)

Nos anos posteriores, a pressão dos lobistas do Wall Street influenciou as decisões dos Presidentes George Bush e Barack Obama de remover a China da lista de manipuladores de moeda.  Em Agosto de 2019, após uma escalada na guerra comercial China-EUA, o governo Trump novamente designou a República Popular da China como manipulador de moeda.

Em 25 de Abril de 2019, o Presidente do Instituto de Estudos de Segurança de Praga, Roger W. Robinson Jr., alertou sobre o grau preocupante em que o PCC havia penetrado no mercado financeiro dos EUA, em um discurso proferido  perante a Comissão do Presente Perigo: China.

Robinson observou que mais de 1.000 compañías chinesas estavam listadas nas três principais bolsas de valores dos EUA, com mais de 650 compañías localizadas na China listadas apenas na Bolsa de Nova Iorque.  Isso inclui compañías estatais chinesas, muitas das quais desempenham um papel em violações de direitos humanos, vigilância em massa e na indústria militar do PCC. Ao serem incluídas nos índices de ações dos EUA essas compañías passaram a receber investimentos por meio de carteiras de ações de milhões de americanos.

A afinidade de muitos investidores do Wall Street com Pequim tornou-se especialmente evidente após o início da guerra comercial EUA-China em junho de 2018.

No mês em que a guerra comercial EUA-China começou, o Morgan Stanley Capital International (MSCI) incluiu oficialmente ações A de compañías chinesas em seu “Índice de Mercado Emergente”, com uma taxa de inclusão de 2,5%.  Isso significa que 2,5% do índice MSCI era composto por ações de compañías chinesas.

Em setembro, a FTSE Russell, a segunda maior empresa de índices do mundo, anunciou que listaria ações A em seu sistema global de índices de ações e as classificaria como mercados emergentes secundários.  Segundo as estatísticas das compañías de valores mobiliários, esperava-se que esse movimento trouxesse um capital incremental de mais de US$ 500 bilhões para as ações A.

Em 1º de Abril, a Bloomberg anunciou a listagem oficial de títulos chineses no Bloomberg Barclays Global Composite Index.

He Qinglian, um economista chinês baseado nos Estados Unidos, escreveu que o reconhecimento das ações A por essas três principais instituições financeiras era equivalente a apoiar os títulos desfavoráveis ​​do regime chinês.  Graças a Wall Street, o influxo resultante de capital estrangeiro ajudou a acalmar os problemas econômicos internos da RPC e as recentes pressões causadas pela guerra comercial.

Suborno de compañías pelo Partido Comunista Chinês

As instituições financeiras com sede em Nova Iorque foram investigadas por contratar ilegalmente filhos de famílias chinesas poderosas, cujas fortunas estão intrincadas e confusamente vinculadas ao regime do PCC.

Em 2013, a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) e o Departamento de Justiça começaram a investigar o JP Morgan Chase Bank por suposto suborno de compañías estrangeiras.  O caso é de particular interesse, pois representa a primeira grande investigação em Wall Street sob a Lei de Práticas de Corrupção no Exterior.

Segundo os pesquisadores, nos sete anos de 2006 a 2013, o Chase empregou cerca de 100 pessoas em seu programa de recrutamento “Filhos e Filhas”, que decorreu de 2003 a 2013. O plano contratou pessoas com laços estreitos com autoridades chinesas e com outras autoridades asiáticas como funcionários em período integral ou estagiários, resultando no ganho de US$ 100 milhões em lucros comerciais pelo banco.

A investigação da SEC notou que o Chase sabia que isso violava a lei anticorrupção, mas continuou o esquema de Filhos e Filhas de qualquer maneira, devido aos benefícios gEnerosos e às oportunidades de negócios que trouxe.  Segundo o Wall Street Journal, as autoridades americanas abriram investigações semelhantes em outras instituições financeiras.

Comprando poder político

As incursões econômicas chinesas deram ao PCC muitas oportunidades de conquistar aliados políticos nos Estados Unidos, particularmente em regiões importantes como Nova Iorque.

Em 11 de Abril de 2016, a vice-governadora de Nova Iorque Kathy Hochul e Zhang Xiangchen, vice-representante de comércio internacional do Ministério do Comércio da RPC, assinaram um memorando de entendimento (MOU) para estabelecer formalmente a cooperação comercial e de investimento  entre o estado de Nova Iorque e as províncias da China. O acordo ligava Nova Iorque a seis províncias chinesas em várias formas de intercâmbio econômico e industrial.

Pedestres passam pela loja da Macy’s em 7 de fevereiro de 2008, na cidade de Nova Iorque (Spencer Platt / Getty Images)

“[O acordo] fala sobre a possibilidade de construir sobre onde estamos hoje”, disse o vice-governador Hochul, segundo o porta-voz da RPC, China Daily.  “As compañías chinesas chegam ao nosso estado; compañías em nosso estado estão procurando oportunidades de exportação”.

Zhang Qiyue, então cônsul-geral do consulado da República Popular da China em Nova Iorque, nomeou o estado como o “ponto positivo” da cooperação sino-americana.  “À medida que continuamos a fortalecer os laços bilaterais, a conscientização aumenta e a cooperação aumenta no nível subnacional”.

Em 18 de julho de 2017, realizou-se em Buffalo o Fórum de Cooperação Comercial e de Investimento entre as Províncias da China e o Estado de Nova Iorque. O evento foi co-patrocinado pelo Escritório de Desenvolvimento de Comércio Exterior do Ministério do Comércio Chinês, pela Agência de Desenvolvimento Econômico do Estado de Nova Iorque, pelo consulado chinês em Nova Iorque e pelo governo do estado.

Em novembro daquele ano, o Governador Cuomo recebeu o Blue Cloud Award pelo PRC Institute, com sede na China, em Manhattan.  Hochul, que aceitou o prêmio em nome de Cuomo na Blue Cloud Gala, observou que “o governador realmente fez dessa relação [China-Nova Iorque] uma de suas principais prioridades, tivemos nossas três missões comerciais e a quarta está sendo planejada”, como relatado pela agência de notícias Xinhua do PCC.

“Temos escritórios comerciais e de turismo na China, e temos pessoas no local para garantir que haja uma ampla porta de abertura entre nossos dois países e nossas cidades”, disse Hochul.

O PCC parece ter adotado o evento como uma maneira de aprofundar os laços comerciais e promover um relacionamento mais próximo com o governador.  Segundo relatos da época, o Hainan Airlines Group, uma empresa chinesa com fortes laços estatais, foi o patrocinador da Blue Cloud Gala. Além disso, a cerimônia de premiação contou com a participação do trio Snow Lotus, que consiste em três cantores tibetanos da província chinesa de Sichuan.  O então cônsul geral da República Popular da China, Zhang, também esteve presente na gala.

Em junho de 2019, o Senado do Estado de Nova Iorque aprovou uma resolução nomeando 1 de outubro, a data de fundação do regime comunista em 1949, como o “Dia da China” do estado para comemorar as contribuições do povo de Grupo étnico chinês para Nova Iorque.  Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da República Popular da China elogiou a medida como um desenvolvimento “positivo”.

Em uma recepção noturna oferecida em 16 de setembro pelo consulado chinês em Nova Iorque para comemorar o 70º aniversário da fundação da RPC, o cônsul geral Huang Ping falou algumas palavras em que elogiou o “socialismo com características chinesas” e condenou a guerra comercial em curso por prejudicar as perspectivas econômicas de ambos os países.  O evento contou com a presença de muitos políticos, empresários e representantes da diáspora chinesa local em Nova Iorque.

Reestruturação do ambiente da mídia e da sociedade 

Em meados da década de 1980, as organizações sino-americanas mais importantes de Nova Iorque eram as que estavam alinhadas com Taiwan, oficialmente conhecida como República da China (ROC).  Mas quando a China continental passou a dominar o cenário econômico e diplomático, o céu azul da ROC com uma bandeira branca começou a desaparecer das Chinatowns locais, substituídas pela bandeira vermelha de cinco estrelas da RPC.

A crescente influência de Pequim foi sentida em toda a comunidade sino-americana, quando o PCC implantou sua maquinaria de propaganda.  Organizações financiadas pela RPC, como o Instituto Confucius, estabeleceram-se em faculdades e escolas dos EUA, ajudando o Partido a consolidar sua visão preferida de identidade, cultura e idioma chineses na mente de muitos jovens americanos.

As organizações do PCC em Nova Iorque estabeleceram vínculos com gangues da tríade local e, às vezes, até permitiram que o Partido projetasse sua repressão política nos Estados Unidos.

Em 1999, o PCC lançou uma perseguição total contra a prática espiritual do Falun Gong e contra dezenas de milhões de adeptos.  A campanha mortal continua até hoje, com campos de concentração e lavagem cerebral, eles também adotaram a remoção de órgãos de praticantes vivos como um recurso para exterminá-los.

Grupos ligados à comissão extralegal do Partido Comunista, encarregados de supervisionar a perseguição ao Falun Gong, geraram discursos de ódio contra a prática nas Chinatowns de Nova Iorque.  Membros individuais desses grupos foram processados ​​por agredir fisicamente os praticantes locais do Falun Gong.

Fu Yuxia foi transferida para uma ambulância após ser agredida enquanto protestava contra a perseguição do PCC ao Falun Gong, fora do consulado chinês em Nova Iorque em 1º de julho de 2014 (NTD Television)

Desde o início dos anos 90, quando o jornal vinculado ao Estado, China Press, foi fundado para o público chinês no exterior, os esforços de propaganda internacional do PCC se transformaram em uma operação multimilionária, oficialmente denominada  “Grande plano de propaganda externa”.

Em 2010, a Agência de Notícias Xinhua lançou um canal de televisão inglês 24 horas, CNC World.  Em Agosto de 2011, a Xinhua publicou um anúncio no valor de centenas de milhares de dólares na Times Square.  Brian Turner, Presidente da Sherwood Outdoor Advertising Co., disse na época que esperava que alugar o espaço da tela para a Xinhua incentivasse outras marcas chinesas a anunciar na Times Square.

Desde 2011, a Xinhua e o People’s Daily Online, outro porta-voz do PCC, abriram escritórios em Manhattan, com o último operando no 30º andar do Empire State Building.

Em fevereiro, o Departamento de Estado dos EUA designou a Xinhua e quatro outros veículos de mídia controlados pela RPC nos Estados Unidos como “missões estrangeiras” para refletir seu papel na estratégia de propaganda externa de Pequim.

Adotando as diretrizes do Partido

A eficácia das ofensivas de propaganda do PCC entre os chineses no exterior é facilmente aparente.  Milhares de chineses que vivem no exterior compraram passagens de avião para a China, convencidos pela última narrativa do Partido de que os Estados Unidos, e não a “pátria” da China, são o novo epicentro do vírus.

Tendo servido por muito tempo como porta de entrada para imigrantes e transporte marítimo nos Estados Unidos, Nova Iorque parece especialmente suscetível à propagação da pandemia.  Em 25 de março, o governador Cuomo disse que Nova Iorque “tem mais casos do que outros estados nos Estados Unidos… porque recebemos pessoas de todo o mundo e vivemos; mudamos; nos comunicamos e fazemos muitas outras coisas próximas uns dos outros”.

Mas na pandemia do vírus do PCC, a globalização não é a única culpada.

A falta de vigilância e as visões irrealistas do regime continental chinês, como evidenciado pelos povos de Taiwan e Hong Kong, expõem sua perspectiva errônea sobre a crise que está assolando o mundo.  Apesar de sua proximidade e extensos laços comerciais com a China continental, essas duas regiões não atrasaram as medidas para deter o vírus. Em 3 de Abril, o número de infecções em qualquer um dos territórios permaneceu na casa das centenas.

Pessoas assistem a uma vigília de luto pelo Dr. Li Wenliang em Hong Kong em 7 de fevereiro del 2020. Li foi um dos oito médicos punidos pela polícia chinesa por informar o público sobre o surto precoce do vírus do PCC  (Anthony Kwan / Getty Images)

Na Coreia do Sul, as autoridades demoraram a cortar o comércio e viagens da China.  No entanto, a conscientização da epidemia e sua gravidade se espalhou rapidamente entre o público.  Em janeiro, os coreanos assistiram e compartilharam vídeos amplamente, expondo a situação sombria no epicentro do vírus Wuhan.  Milhões de pessoas criticaram o Presidente Moon Jae-in por colocar os negócios acima da saúde nacional.

Enquanto a Coreia do Sul teve um dos piores surtos fora da China, a combinação de conscientização pública, pressão popular e cooperação cívica parece ter controlado o vírus.

No entanto, a mesma vigilância parece faltar no Empire State Building, mesmo quando o PCC promove seu suposto sucesso no controle da doença na China e pinta a resposta dos Estados Unidos como o epítome da incompetência administrativa.  A narrativa é reforçada por muitos meios de comunicação estrangeiros, principalmente porque eles tendem a relatar o número oficial de casos confirmados e mortes na RPC pelo seu valor nominal.

Em 11 de março, o New York Times publicou um artigo intitulado “Seus casos de coronavírus diminuem, China se concentra no exterior”.

O subtítulo do artigo ecoa a propaganda do PCC: “Pequim está organizando uma campanha de ajuda humanitária em países que lutam contra seus próprios surtos”.  Ao fazê-lo, está assumindo um papel que o Ocidente já dominou”.

Um editorial de 16 de março no Washington Examiner criticou a reportagem do Times como talvez “a parte mais vergonhosa da desinformação chinesa publicada por qualquer redação nos Estados Unidos desde que o surto do COVID-19 se tornou uma história”.

“O artigo faz eco à alegação da China de que seus casos diários de coronavírus diminuíram‘ em um dígito “”, observa o examinador.  “Não há nenhuma tentativa de verificar esses números … com a mídia agindo assim, quem precisa do Departamento de Publicidade do Partido Comunista da China?”.

Leo Timm contribuiu para este artigo.


ESCLARECIMENTO IMPORTANTE: O ReporteroCubano.Net não compartilha necessariamente as opiniões políticas expressas em artigos retirados de outros meios de informação. | Visite a fonte para obter mais informações

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *