Projeto de lei é apresentado nos EUA e poderá permitir ação legal contra o regime chinês pela pandemia

Projeto de lei é apresentado nos EUA e poderá permitir ação legal contra o regime chinês pela pandemia

Por Cathy He

Um congressista republicano apresentou um projeto de lei em 3 de Abril que tornaria mais fácil para os americanos iniciar uma ação legal contra o regime chinês por seu papel em causar a pandemia global.

O regime chinês atualmente desfruta de proteção contra ações judiciais movidas nos tribunais dos Estados Unidos sob a doutrina da imunidade soberana, uma norma legal que isola os países de serem processados ​​nos tribunais de outros países.  No entanto, há exceções a essa regra encontradas na Lei de Imunidades de Soberanos Estrangeiros (FSIA).

A Lei Stop COVID, introduzida pelo Representante Lance Gooden (R-Texas), alterará a FSIA para fornecer outra exceção à imunidade, para qualquer estado que tenha encontrado “intencionalmente ou não intencionalmente que uma arma biológica foi descarregada … nos Estados Unidos ou essa descarga resultarão em lesões corporais a [um] cidadão dos Estados Unidos”.

A medida vem em meio a crescentes pedidos dos legisladores dos EUA de responsabilizar o regime chinês por seu encobrimento inicial do surto do PCC em Wuhan, que desde então se transformou em uma pandemia global que reivindica dezenas de milhares de vidas e  devasta a economia mundial.

“A lei Stop COVID dará ao nosso sistema legal o poder de investigar a origem do vírus e, se considerado culpado, responsabilizará quem o criou e o liberou”, disse Gooden em declaración de prensa à imprensa.

A legislação abriria caminho para o Departamento de Justiça dos Estados Unidos investigar a fonte do vírus e registrar reclamações contra o regime chinês nos Estados Unidos, segundo o declaración de prensa.

A origem do vírus ainda é desconhecida.  Enquanto as autoridades chinesas sugeriram inicialmente que um mercado de animais vivos em Wuhan era a fonte do surto, as autoridades se afastaram dessa narrativa.  O primeiro paciente documentado, um homem acamado na casa dos 70 anos em Wuhan, que apresentou sintomas em 1º de dezembro, não teve contato com o mercado.

Enquanto isso, Pequim lançou uma campanha global de desinformação para empurrar a teoria infundada de que o vírus se originou fora da China, na tentativa de desviar a culpa pela má gestão do surto.  Uma autoridade chinesa alegou, sem fornecer provas, que o vírus foi introduzido em Wuhan por funcionários do Exército dos Estados Unidos.

Ações judiciais nos Estados Unidos

Apesar da possível barreira à imunidade soberana, vários processos foram iniciados recentemente nos tribunais nacionais contra o regime chinês, procurando responsabilizá-lo pelos danos que o vírus do PCC causou aos americanos.

Uma delas é uma ação coletiva movida pelo escritório de advocacia da Flórida The Berman Law Group em março.  A empresa, em uma declaração conjunta emitida em 3 de Abril com Lucas Compton, uma empresa de lobby com sede em Washington, contratada para fazer relações públicas para o processo, acolheu com satisfação o projeto de lei de Gooden, dizendo que “forneceria poder de fogo”  além de nossa posição legal”.

Mas a empresa sustentou que “a ação não é apenas executória em seu estado atual, mas aborda os principais componentes legais que são exceções à jurisdição da Lei de Imunidades da Soberania Estrangeira (FSIA)”.

A denúncia afirma que a ação se enquadra em duas exceções à FSIA: a exceção “atividade comercial”, ou seja, atos relacionados à atividade comercial fora dos Estados Unidos que afetam diretamente os Estados Unidos e a isenção por morte ou dano causado por negligência ou outros atos tortuosos ou omissões de um estado estrangeiro.

Mas o professor de direito de Yale, Stephen L. Carter, argumentou em um artigo recente da Bloomberg que é improvável que essas exceções se tornem realidade.

“O processo de ação coletiva na Flórida alega que a exceção comercial se aplica, mas não é fácil perceber como”, escreveu Carter.

Com relação à segunda isenção, “essa seção proíbe especificamente qualquer reivindicação com base no exercício ou desempenho ou na falha em exercer ou executar uma função discricionária, independentemente de a discrição ser abusada”.  É difícil encontrar uma maneira de evitar essa restrição”, escreveu Carter.

Matthew Moore, advogado de ação coletiva de Berman Law, disse ao Epoch Times que a restrição que Carter mencionada não se aplica aqui porque o regime agiu “completamente atroz contra a humanidade”.

“Se eles esconderam algo perigoso, não podem dizer que foi um ato discricionário”, disse Moore.

Embora o primeiro grupo de infecções tenha surgido no início e meados de dezembro, as autoridades chinesas não confirmaram o surto até 31 de dezembro de 2019. Somente em 20 de janeiro eles confirmaram a transmissão do vírus de pessoa para pessoa.  Antes disso, as autoridades descreveram o surto como “evitável e controlável” e disseram que o risco de transmissão de pessoa para pessoa era baixo. No entanto, um estudo de janeiro dos primeiros 425 casos da doença em Wuhan descobriu que “há evidências de que a transmissão de pessoa a pessoa ocorreu entre contatos próximos desde meados de dezembro de 2019”.

Ao mesmo tempo, as autoridades também silenciaram os médicos de Wuhan que tentaram alertar seus colegas sobre o surto no final de dezembro.  Eles foram repreendidos pela polícia local por “espalhar boatos”.

A Berman Law também planeja adicionar outra exceção da FSIA ao processo: a isenção de “terrorismo”, disse Jeremy Alters, porta-voz do estrategista-chefe e não advogado do processo da empresa, ao Epoch Times.

“Temos um vírus que é bem conhecido pelo governo chinês.  Eles estão cientes de sua propensão a se espalhar de pessoa para pessoa rapidamente.  Eles estão conscientes de sua propensão a prejudicar as pessoas e matar. Eles sabem que se originou na cidade”, afirmou Alters.  “Eles ocultaram as informações de nós”.

Ele acrescentou que, quando o regime chinês alertou os Estados Unidos e outros países sobre a gravidade do surto e iniciou medidas de fechamento, já era tarde demais: 5 milhões de pessoas já haviam deixado Wuhan, espalhando o vírus para outras partes da China e do mundo.

“Como é que não é (…) um ato de terror intencional?”  Alters disse. “Este é um ato de bioterrorismo”.


ESCLARECIMENTO IMPORTANTE: O ReporteroCubano.Net não compartilha necessariamente as opiniões políticas expressas em artigos retirados de outros meios de informação. | Visite a fonte para obter mais informações

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *